Cangaço: A Milícia do Coronelismo (Júlio Chiavenato)

R$44,90
Entregas para o CEP:
Meios de envio
  • Ugra Rua Augusta, 1371 loja 116 - Galeria Ouro Velho - São Paulo - SP 01305-100 // ATENÇÃO: Por conta da pandemia de COVID 19, a loja está funcionando de quarta a sábado, das 12h30 às 19h.
    Grátis


Formato: 14 x 21 cm
Páginas: 120
Editora: Noir
Idioma: Português
País de Origem: Brasil

Você vai repensar tudo que sabe ou ouviu sobre o cangaço depois que ler este livro. Exemplos? Os cangaceiros não contestavam o sistema, não praticavam a guerrilha, não representavam os oprimidos. Apaniguados com a polícia, de quem compravam boa parte de suas armas, representavam, na realidade, os interesses dos coronéis, funcionando como instrumentos de domínio e intimidação da população pobre nordestina. Em vez de guerrilha, os cangaceiros praticavam banditismo de controle social, em uma região marcada pela questão fundiária e pela fome. Antonio Silvino, Corisco, Lampião: a análise vigorosa de Júlio José Chiavenato transforma esses heróis populares da lenda em pobres homens famintos, impiedosamente descartados com o advento do Estado Novo e a alteração do quadro político que se deu naquele momento. Porque, segundo Chiavenato, desde o descobrimento do Brasil, a solução oficial para a tensão social é a matança de pobres, começando com os massacres de índios, em seguida de escravos, passando por movimentos como a cabanagem e a balaiada, para culminar, nos dias que correm, com os assassinatos impunes nas favelas cariocas e em outros grandes centros brasileiros.