Revolta da Vacina (André Diniz)

20% OFF
R$59,90 R$47,90
Entregas para o CEP:
Meios de envio
  • Ugra Rua Augusta, 1371 loja 116 - Galeria Ouro Velho - São Paulo - SP 01305-100 // ATENÇÃO: Por conta da pandemia de COVID 19, a loja está funcionando de quarta a sábado, das 12h30 às 19h.
    Grátis


Formato: 16 x 23 cm
Páginas: 176
Editora: DarkSide
Idioma: Português
País de Origem: Brasil

Há pouco mais de um século, no final do ano de 1904, o Brasil vivia uma crise social e sanitária. Enquanto o país tentava se ajustar à recente mudança de sistema de governo, de Império para República, proliferavam-se as moléstias causadas pelo saneamento precário, e por mosquitos e ratos, como a varíola, a febre amarela e a peste bubônica. O epicentro da crise era a então Capital Federal do país, a cidade do Rio de Janeiro, em que essa crise social se transfigurava em uma crise urbanística. O Rio era uma cidade caótica, de urbanização colonial, despreparada para comportar a própria população, que crescia cada vez mais. Além de destino de emigrantes de todas as partes do país e do mundo, no alvoroço de seu ambiente social coabitavam os herdeiros da escravidão, recém-libertos, e uma elite que buscava repelir toda a cultura não dominante, ou seja, dos pobres e de matriz africana. Nada que não tenha persistido – ou se intensificado – com a passagem do século. A solução encontrada para a crise urbanística foi uma reforma geral na cidade, em que os moradores de cortiços foram escorraçados para os morros da cidade. A solução para a epidemia foi a vacina compulsória, idealização do sanitarista Oswaldo Cruz, o que gerou uma revolta na população.
Esse é o pano de fundo para a história de Revolta da Vacina, do renomado quadrinista André Diniz, autor de mais de trinta obras, entre elas Morro da Favela, e vencedor de inúmeros prêmios como roteirista e ilustrador de histórias em quadrinhos. Na obra, acompanhamos a trajetória de Zelito, um jovem ilustrador cearense que parte para o Rio de Janeiro e tem seis meses para provar ao pai que poderá construir uma carreira de futuro. Na capital, enquanto procura trabalho como cartunista nos jornais, ele se envolve nas manifestações que iriam culminar na rebelião que sacudiu a cidade naquele ano de 1904.
Revolta da Vacina é a primeira obra de André Diniz a integrar o catálogo da DarkSide Books, e esta edição especial conta com uma vasta seleção de charges da época a respeito da vacinação obrigatória, além de posfácio do historiador Luiz Antonio Simas. Segundo Simas: “Sem qualquer esclarecimento sobre a eficácia da vacinação, a população sabia apenas que brigadas de vacinadores, acompanhadas por policiais armados, teriam autorização para violar residências, vacinar as pessoas e prender os que se recusassem a tomar a danada. Até mesmo Rui Barbosa declarou que ninguém teria o direito de contaminar o próprio sangue com um vírus. Imaginem então o que achava a população mais pobre e afastada da educação formal. Àquela época, o próprio princípio da vacinação era polêmico.”
Com uma pesquisa meticulosa, Revolta da Vacina é um documento da persistência de nossas mazelas históricas, que vai informar tanto o jovem leitor em um primeiro contato com o tema, como aqueles já familiarizados com a história. Mas todos os leitores certamente identificarão similaridades entre o Brasil do início do século XX e o país que luta outra vez contra uma peste neste ano de 2021. A luta pela ciência continua e, como afirmou o cientista francês Louis Pasteur, criador da primeira vacina contra a raiva: “Os benefícios da ciência não são para os cientistas, e sim para humanidade!”.